Arte, porque a vida por si só não deu conta dela mesma





segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

30

Essa é uma Contagem Regressiva/Agressiva.
Tenho 28 anos, um filho de 9, 2 casamentos nas costas e um acúmulo de infinitas histórias de peso que, Gilberto Braga e Manoel Carlos concordariam, são dignas de folhetim. 
Todos sabemos que histórias contam bem mais do que contam os números... Afinal, o que são os números? O que são os números?!(em tom grave, volume alto, intenção incisiva) O que são os números?!!!!! (em tom agudiço estridente, volume altíssimo descontrolado, intenção agressiva sem noçao).
(silêncio)
Palavras pesam muito mais que números (recomposta, tom médio, volume médio, intenção média, toda média). Não, não sou maluca e não, não estou de TPM - embora a minha seja de fato assustadora.
O caso é que hoje eu saí pra almoçar com meu filho num restaurante perto de casa. Foi quando e quando o garçom me perguntou: O mate é da senhora?" - Fiquei me perguntando quando foi que começaram a me chamar de senhora. Depois, mais duro...  Me perguntei quando é que foi que o tal "senhora" parou de arranhar os meus ouvidos. Poxa vida, senhora é uma palavra pesada. Fala só pra você ver. Quer dizer, ouvir. Não, sentir. Peso a gente não vê nem ouve, a gente sente, oras. SE-NHO-RA. Agora fala mastigando os sons: SÊ-NHIÓ-RÁ.  Nhió é o mais pesado, o mais agressivo. Quando falo o nhió minha sobrancelha esquerda chega a levantar ameaçadora. Agora... Senhorita é tão delicado, tão leve, tão serelepe, tão suave, tão... jovem! Ai, esse  dilema na minha cabeça já estava começando a ficar ficando chaaaaatuuuuuu e decidi resolver: Ih, quer saber? Senhora é uma norma social. Uma péssima norma social, mas é uma norma social.  Começaram a me chamar de senhora porque tenho filho. Meu filho tem 9 anos, há quase dez devem me chamar de SÊ-NHIÓ-RÁ e por isso eu acostumei. - Acho que ficou claro que eu não falei isso pro garçom, era eu falando pra mim mesma, não ia dar essa bandeira toda.
Paguei a conta, fui a livraria. Livros são sempre uma deliciosa sobremesa. Devorei alguns. Peguei uns 15 livros na mão e assim que percebi o peso dos 15 nos braços, olhei pro meu filho, ele entendeu:
"É, mãmãe, daqui a pouco seu dinheiro acaba de tanto livro que a gente compra." É... meu filho é um poço de sensatez (não sei a quem puxou). Comecei a devolver tudo pras prateleiras. Resolvemos levar dois, um pra mim, outro pro sensato.
Me dirigi ao caixa e... "SÊ-NHIÓ-RÁ"! De novo!
(Sobrancelha esquerda levantada) Acho que hoje o "Senhora" voltou a arranhar.
É... os 30 estão chegando arranhando.
Mas o que pesa não são os números, são as palavras.
Trinta é uma palavra muito pesada! Não é não? Não?! Ah não?! É sim, tá?!  Fala só pra você ver: TRIIIINNNN- TÁ!
TRINTA!!!! TRINTA!!!! TRINTA!!!! TRINTA!!!! TRINTA!!!! Tá vendo?!(em tom agudiço estridente, volume altíssimo descontrolado, intenção agressiva sem noçao).
(Recomposta) Mas eu estou absolutamente tranquila, pra mim ainda faltam 2. Anos.

2 comentários:

  1. Ainda faltam 5 para mim e não e que ouço essa palavra.. Ai...

    ResponderExcluir
  2. É Karin, dizem que faz parte daquelas tais normas sociais chaterésimas. Eu acho que elas serem chaterésimas até tudo bem, mas desagradáveis e afrontosas ninguém merece! Desde quando isso é educação!
    rsrsrs
    A vontade é responder pro individuo: Senhora é a sua mãe, eu sou uma sweet young lady, dear! rsrsrsrs
    E não seria nenhuma mentira, certo? hahahahaha

    ResponderExcluir