Arte, porque a vida por si só não deu conta dela mesma





quinta-feira, 1 de maio de 2014

Confessa.

ela dobra a esquina e aponta a arma pra cabeça dele, que coloca correndo um livreto no bolso.

A- Confessa?
B- O que?

A - Confessa!
B - Confessar o quê?

sliêncio
ela abaixa a arma.


B- Li seu texto.

ela mete a arma na cabeça dele de novo.


A- Leu mesmo?
B- Gostei mesmo. Você é intensa, né?
A - Como é que você sabe?
B - Se você tivesse que confessar alg...

Ela abaixa a arma

A- É... Isso eu não posso nem confessar. Nem negar. eu não posso negar, nem tentar esconder, nem tampar, acaba vazando pelos lados, alagando e todo mundo vê. Volto e meia eu me afogo, faz barulho. Todo mundo vê. Um grunhido, um uivo. Ouve-se de longe. Todo mundo vê. É que nem a lua. Ela tenta se fazer de escura, aí vem o sol, esquenta, explode, explana tudo. Escancarada na cara. Vaza pelos lápis e lábios e... B- ...e todo mundo vê, eu confesso. A- Dá pra ler? B- Dá. Tá estampada na tua página. Você fica nua. E todo mundo... A- Shhhhhhh.(
ela coloca o cano da arma em frente a sua boca) Isso é coisa dessa imaginação que mora na sua cabeça (entredentes, empurra a cabeça dele com a arma). Você pensa que vê, mas não lê.
B - Maktub A - Que? B - Maktub. Tava escrito. A - Nas estrelas? Também adoro astrologia! (solta a arma) B - Prefiro orgia. Silêncio. Ela vira pouco a pouco a cabeça pra ele com a sobrancelha esquerda levantada-indignação. B - De palavras. Orgia de palavras. Eu prefiro. A- As minhas? B - As suas, claro! A - Só as minhas? B - Só elas, exlusividade. A - Todas? B - Só uma ou outra que... todas, todas, claro que todas! A - Pode ir. B - Pra onde? A - Sei lá, pra onde você quiser! Pode ir! ele fica A - Vai! Anda! B - Vo-vo... vo-vo... vo... cê não vai me levar com você? A - Pra onde? B - Não sei, pra onde você estava indo? A - Olha só! Eu não iria a nenhum lugar com você que não fosse a lua! B - A gente tem uma lua inteira pra escrever? A - Você tem um foguete aí? Se você arrumar um foguete, eu vou com você! B - Mas aí eu que vou estar levando você! A - Anda logo com essa merda! B - Se eu que vou te levar, então vamos ter que começar tudo de novo, você me dá a arma, e aí vão ser as minhas palavras... A - Você não gosta das minhas palavras? Confessa! (coloca a arma contra a própria cabeça) Você não gosta! B - Não é nada disso, é só que... A (entredentes) - Confessa, se não eu aperto o gatilho! B- Tá, tá bom, eu não gosto das suas palavras. A - Não me convenceu! Confessa direito! B - Suas palavras são horríveis! A - Eu mandei vonfessar direitooooo!!! (tendo um ataque, se estribuchando) B - Tá bom!!!!! EU confesso!!! Suas palavras são.... sãooo... fétidas, paupérrimas as rimas, isso, paupérrimas rimas, fétidas, a prosa é um carcinoma, cada oração é... é... é... uma profanação, cada oração é uma profanação, figuras insosas, insólitas, você é um atentado contra a língua portuguesa! A - Tá vendo? B - O que? Eu tô dizendo!!! Fétidas! Fétidas, fétidas fétidas, quando não são insosas são fétidas, carcinoma, insólitas, fétidas!!!! A - Cheeeegaaaa!!!!!!! (dá um tiro pro alto e cai aos prantos) Eu sabia!!! Eu sempre soube. Eu sabia!!! (ela entrega a arma pra ele) Toma, você merece essa arma. Muito mais do que eu! Ela larga a arma e sai chorando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário