Arte, porque a vida por si só não deu conta dela mesma





quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Texto idiota escrito por um otário

Mamãe - Era uma vez uma história de amor entre uma idiota e um otário...


Joazinho - e eles viveram felizes para sempre, mamãe?

Mamãe - Claro que não!!! Você já me viu sorrindo alguma vez por acaso???

Joaozinho - mas você não é idiota mamãe...

Mamãe - É. Você tem toda razão, meu filho, mas seu pai é um otário.

Joãozinho - eu não acho, mamãe!

Mamãe - é que você não conhece seu pai...

Joãozinho - conheço sim.


Mamãe - Joãzinho, o meu olho é azul?

Joaozinho- não, mamãe.

Mamae - o olho do seu pai que você conhece é azul?

Joãozinho - também não, mamãe.

Mamãe - Então...

Joãozinho - não entendi, mamãe.

Mamãe - puta que pariu! Mas é bem filho de idiota com otário mesmo!!!

Joaozinho - mas mamãe...

Mamãe - E pára de me chamar de mamãe que se não eu te largo no meio da estrada!!!!!!!

Joazinho - é, mamae, você tinha razão. Você é mesmo uma idiota.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

DOAÇÃO

DOA-SE


INTENSIDADE DESMEDIDA
DRAMAS A FLOR DA PELE

EMOÇÕES EXTRAPOLADAS

VISCERALIDADE MALDITA
SENSAÇÕES DESNORTEADAS
IMAGINAÇÃO  DESMIOLADA

COMPLEXIDADE DILATADA
AMORRES DESCONTROLADOS
ENTREGAS SUICIDAS
ALMA DESPIDA
INQUIETAÇÃO DEPRAVADA
ACORDES DISSONANTES NA MADRUGADA
MENTEZINHA DESTRAMBELHADA


PS: Caso fique sabendo de algum interessado, entre em contato. Eu ia vender, mas achei melhor doar. Há muito material sobrando no estoque... 

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

OUTONO

Famílias muitas vezes são como árvores: raízes fincadas, a copa robusta. Então voce balança, sacode e os as folhas secas caem, os frutos maduros já se libertaram e o que sobram são galhos secos e feios, quase nada.
Por isso eu prefiro s borboletas. Além de nascerem da própria morte, só pousam onde querem e geralmente escolhem as flores pra se relacionar.
E mais: ainda as ajudam a germinar.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Sem Senso


Anda sendo difícil me levar a sério. 
Ando sendo difícil me levar a sério... 
Ando sendo difícil me levar a...
Ando sendo difícil me levar... 
ando sendo difícil... 
ando sendo... 
ando...
Sem senso

QUEDA-LIVRE

quero um tropeço no abismo de mãos dadas com você






d(ela)
para midraj.

domingo, 8 de janeiro de 2012

UNIVERSÊS


É que o universo anda cochichando coisas no meu ouvido. Na verdade ele tem falado bem alto. Gritando. Gritando? É. Gritando sim... E eu resolvi escutar.
Voltando pra casa, o carro me guiando, dia me amanhecendo, a praia passando por mim e por mim também... uma revoada! Nada existe de mais epifânico que uma revoada desenhando a aurora bem na hora em que você decidiu abrir os braços para respirar o universo. E sim, ele me abraçou. O universo. O univerSou me abraçou me amparou me afagou me acolheu. A revoada passou e foi, mas eu que estava só ali passando, fiquei. Um ainda se instalou recostado dentro do meu peito e ficou. Sussurrou doce ali. 
Eu quis saber melhor que papo era aquele que o universo estava querendo trocar comigo. Eu estava caindo de sono e com aquele brado ele me despertou: agora, caramba, tinha de me explicar o que afinal estava querendo me dizer!
Há alguns dias dias ele tem falado alado comigo. Tem me procurado em eco incessantemente incessantemente incessantemente incessantemente. Parei o carro e fiquei ali, epifanando... contemplei, contemplei, contemplei, ouvi. Ouvi muito. Entendi pouco. É que não domino o universês - dessa língua ainda tenho muito o que aprender. É demasiado o azul  do uni(verso) pra mim. Mas eu ouvi. Deu pra ouver muita coisa. Mirei. Mirei. Mirei... Mirei bem e roubei um pouco daquela parte de mundo pra mim. Vou te dar um pedaço de azul também.