Arte, porque a vida por si só não deu conta dela mesma





terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Simpatia.

Quando sua intuição lhe disser: "Não saia de casa hoje" - encha uma bacia de gelo e senta!
Há os que erram e há os hipócritas. Há os que cobram e os que agem, os que apontam e os que se olham, os que estão no pedestal e os que reconhecem pares. Há os que sabem e há os que amam.

Apontai em massa.

Sensibilidade também é razão.

Quando alguém vem e sacode as convicções, é normal você ver rispidez, rigidez, e até uma certa altivez. É difícil mesmo quando alguém vem e mexe na nossa sensatez e mostra que, sendo fora do senso, ele consegue ser saudável e feliz.
Insenso de flor de lótus é indicado.
As vezes a saudade não bate. Espanca.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

sábado, 27 de outubro de 2012

the fuckest se fuckest - elucubrações sobre o óbvio em chatspeare


Papo para willi vi(ver)

SESTER - hahahahaah
sabe hamlet me fez rever os meus conceitos
acho que shakeaspeare e inencenável, a literatura basta  por si só e qualquer poética de encenador estragaria a  estética criada por ele originalmente
não é porque os personagens são tão verossímeis que as ações possam ser representadas no palco
o texto fala por si só

GELIO - pode ser

SESTER - né não?!
Vi Macbeth no shoping da gávea e conclui assim

GELIO - a montagem q vc viu eh com quem?

sesterdiferente de peças fúteis cheias de ações porém sem discurso, shakespeare é o inverso da moeda, carregado de discurso porém impossibilitado dramaticamente quanto as ações
ANTONI
HORRIVEL
CANASTRA
FEZ VOZ

GELIO - saquei

SESTER - algumas coisas se salvam é bem verdade

GELIO - o daniel dantas tb fez com direçao do aderbal

SESTER - figurino, trabalho com o corpo

GELIO - UMA MERDA

SESTER - uma tor fazendo lady macbetrh
etc

GELIO - pra fazer shakespeare, as pessoas ficam querendo valorizar a palavra

SESTER - é

GELIO - pq a beleza do shakespeare está na palavra
mas isso em literatura dramatica

SESTER - quando o probelma real é construie as ações
fica todo mundo feito um ator-declamador horrível

GELIO - esquecem q quando sai do papel, a coisa ganha tridimensionalidade e essa tri D precisa ser preenchida com vida

SESTER - verdade
em se tratandod e shakespeare, muito sangue

GELIO - entao fica todo mundo querendo fazer um teatro renascentista no século XXI

SESTER - é foda!

GELIO - patético

SESTER - verdade
shakespeare é feito eu: incompreendido em sua sociedade contemporânea
we are the fuckests

GELIO - kkkkkkkkkkkkkkkk

SESTER - ele sim é the fuckest
rsrsrsrsr
ele eh the fuckest

GELIO - a gente tenta imegir nele e se fuckest
rs

SESTER - rsrsrsrs


quarta-feira, 26 de setembro de 2012

0,5

tinha uma vírgula no meio do caminho, no meio do caminho tinha uma, virgula no meio do caminho tinha, uma vírgula no meio, do caminho tinha uma, no meio do cam,

domingo, 16 de setembro de 2012

PIPOCA & GUARANÁ!




Eu quero:

 mascar minichicletes do bocão com você 

assistindo ninja jiraya 

depois de dançar lambada 

sob uma lua de cristal.



TEM QUE TER ATIVIDADE

O tempo é o melhor remédio, só que - neste caso - eu gosto mesmo é de subdosagem.

Segundo Domingo de Agosto

Esse é um daqueles momentos em que eu subornaria o tempo pra me dar um desconto de 20 anos e ganhar de novo um cafuné seu. E se vc me contasse a historia da cinderela e dissesse que é sua, eu acreditaria mais uma vez. E fingiria também que eu gosto mais dela do que da Bela que nao acorda mais.

Pessoas

Pessoas falam o que querem, ouvem o que querem e assim mantém em conversas monológicas masturbatórias de egos pseudointactos

MOM & SON

Mais uma da série DIÁLOGOS DE FILHO DA MÃE

SON  - "Mamãe, fiquei tão feliz de ver meu paizinho de novo!" 


MOM- "É, filho? Matou a saudade?"


SON - "Não, mamãe, a saudade nunca morre!"


MOM - "Ah... A saudade nunca morre?"


SON - "AH! Não sei, quem sabe disso é Deus, ou sei lá se ele falou pra..."


MOM - "Não, filho, eu achei bonito isso que você disse! Que a saudade não morre."


SON - "É. Mamãe, eu acho que a saudade só morre quando a gente morre."

MOM - "Ah, tá... E quando a gente sonha?"

SON  -"ELa não morre... Eu acho que o sonho é a saudade que a gente tem. Eu sempre sonho com o desenho do Naruto, com o capítulo que eu não consegui ver."

+ ou - isso

ser mãe é estudar conjunto e elemento, antecessor e sucessor, se dividir entre problemas de adição e subtração descobrindo que é múltipla de si mesma pois você está na interseção de um conjunto que está contido nos seus 27 anos de idade! (V)

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

COISA DE COM(PADRE)

Na riqueza e na pobreza,
na água mineral e na cerveja,
até q a morte os separe. 

Pode abraçar o amigo!

FÁBULAS DE UM FELIZ DE UM FILHO DA MÃE

ANTES DE SAIR

SERGINHO - Mamãe, vamos logo pra Livraria Cultura?!
LELÊ - Já vou, só estou terminando de comer
SERGINHO - Vovó Claudia e vovô Paulo também foram pro fashion mall. tem um evento lá
LELÊ - Eu sei. É de moda!
SERGINHO - E você também vai aproveitar pra ir lá?
LELÊ - Vou.
SERGINHO - Oba!!! Tô tão feliz! (muito esfusiante)
LELÊ - Nossa, rs, por que essa felicidade toda, filho?
SERGINHO - Ah, porque você não vai só me levar na livraria! Você também vai se divertir! Tô muito feliz! Feliz por você!
LELÊ - Filho, eu também te amo.
E O ABRAÇO FOI INEVITÁVEL

---------------------------------------------

DEPOIS DE CHEGAR 

SERGINHO - Mamãe, deita comigo pra eu dormir?
LELÊ - Hoje não, já fiz muitas vontades suas hoje. Hoje você deita sozinho.
SERGINHO - Pois é, é que você me fez tão feliz hoje que só falta você deitar abraçadinha comigo pra ser perfeito
LELÊ - Ai, Caramba!
SERGINHO - Que foi?
LELÊ - Pô, Sergio...

SERGINHO - Quê?
LELÊ - Ah!Seu argumento irresistível me convenceu!"

E FOMOS.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Closed - I can't take my eyes off ( ).

Vazio é quando toca "I can't take my eyes off you" e você não tem em quem pensar.

ninguém mais
Coco sem água
se(quer) alguém na sua mente
coração oco
nem pouco amor somente
Closed - I can't take my eyes off (   )
Longe demais.



sábado, 8 de setembro de 2012

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

POW - SERES OU NÃO SERES? IMBESERES...

Exemplar da série textinhos bestas das horas inúteis.


DOIS SERES ARMADOS

SER 1 - Quem você pensa que é?
SER 2 - Ah, irmão... uma meia dúzia de sinapses "rolando"numa frequência qualquer. Por quê?
SER 1 - Quê?! Mas com quem é que você PENSA que está falando????
SER 2 - Caramba... você num é um... você é um E.T.?
SER 1 - Hà? Mas que audácia é essa?
SER 2 - Ai, meu Deus! Você é um fantasma????
SER 1 - Mas que palhaçada é essa?????
SER 2 - Um mutante? O IT sem figurino e maquiagem? Ai, Jesus! Você é o Chuck adulto? O filho mais velho do Jason??? Que é você?
SER 1 - Engraçadinho você... Vem, seu patife! Vou te levar comigo!
SER 2 - Ah não! Meu Deus! Como não me dei conta disso antes? Você é a Morte! Por favor,  me deixa ficar mais um pouquinho!!!!
SER 2- Carlão, mata esse filho da puta!!!!
SER 1 - Não, não, minha mãe era faxineira.
SER 2 - Atira logo, porra!
SER 1 - Senhor Morte, tudo bem, você vai me levar. Mas deixa eu fazer só uma última pergunta?
SER 2 - Senhor Morte? Esse cara tá falando sério?
SER 1 - Você vai me mandar pro Céu o pro Inferno?
SER 2 - Eu vou te mandar pra puta que o pariu.
SER 1 - Senhor Morte, eu não estou te chamando de surdo nem de desmemoriado, mas como eu já te disse, minha mãe não é puta, ela é faxineira. O senhor manda um recado pra ela pra mim?
SER 2- Carlão, quer saber, deixa esse imbecil aí e vamo embora... (e vai)
SER 1 - Imbecil? Sou, eu sou. Se não me engano minhas sinapses permanecem funcionando numa frequência qualquer.  Ei, Senhor Morte,  só mais uma perguntinha!
SER 2 (de longe)  - Fala, imbecil!
SER 1 - Você tinha neurônios?

POW


E é então que o SER 1 faz esta bioperformance a qual ele intitula "POW"





segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Em busca do Teatro Pedinte

"Oi, meu nome é texto novo de agora, eu sou meio longo, dá uma preguiciiiiinha, mas me lê aí, vai, por favor?"


TEATRO: A ARTE DE PEDIR -  ou COM EVOÉ NÃO SE PERDE A FÉ
Aprendi a ser cara de pau fazendo teatro. E não foi no palco ou na sala de ensaio. Foi pedindo ao porteiro do meu prédio pra pintar o banco do play - "... que é pra usá-lo numa peça..." - pedindo ao outro porteiro pra ensaiar na ante-sala da sauna (já que eu me desentendi com o síndico arrogante, que mora no primeiro andar e me proibiu de ensaiar no salão de festas que fica bem embaixo do quarto dele), pedindo  a mesinha retrô que minha vizinha de porta deixou no hall, pedindo a moldura enorme e a cristaleira digna de antiquário que foi guardada/esquecida na garagem pelo cara do 701. 


Com os colegas de trabalho, a mesmíssima coisa.
No teatro pobre - e não faço aqui nenhuma ligação direta a Grotowski - aprendemos uma série de expressões muito utilizadas pelo operariado jovem do teatro. São eufemismos muito afetuosos ou estimulantes os utilizados quando, na verdade, se quer dizer: tenho um trabalho mas nenhum dinheiro pra você. "É no amor" , "É na raça" - ou, no modus cariocão,  "É na camaradagem" - são os termos que introduzem um convite de trabalho. Eu já apelidei esses convites de "proposta indecente" . É lógico, a proposta vem bem feita num tom bem animado que é pra aliviar bem o impacto do nenhum dinheiro.  E é chamada de indecente pra já ali diminuir a expectativa. Então é por aí que se segue a descrição da tal  incrível idéia/projeto com verba nenhuma.
É assim mesmo o discurso pedinte: disfarçado de convite ou descontraidamente chamado de "propostinha indecente". Diminutivos também são eficazes. Você disca o telefone, escolhe o tom de voz perfeito e lança essa pra sua colega-atriz, seu amigo-produtor, seu conhecido-diretor ou seja lá quem for a sua ficha técnica camarada. Ah! Tem também aquela máxima: "Vai ser bom pra você, vai mostrar seu trabalho, fazer girar o seu nome..." - Sim, o sujeito te chama pra mostrar seu trabalho e girar o seu nome no projeto autoral dele sem te pagar nenhum vintém. Nem passagem. Nem ticket alimentação.
Assustou? Escravidão? Não, meu bem, não... Que é isso?! Nem pense numa coisa dessas! Os escravos não pagavam pra trabalhar e mal ou bem, ali na senzala tinham moradia e alimentação. Pra artista, nem senzala, viu? Mas olha... Sem revolta! É assim mesmo. Mas olha... Sem conformismos. Eu também acho tudo isso o cúmulo! Mas olha...

No amor e na raça, já pedi e fui pedida. Confesso que tenho mais cara pra pedir bancos do play , ante-salas de sauna e molduras enormes da garagem do que gente (Sim, não se espante, poxa, esse nosso povinho de teatro também é gente). 

Mas foi pedindo que minha timidez desceu pelo ralo. E desceu mesmo. Aos quinze anos eu não comprava nem um pão de batata na cantina da escola.  Eu tinha uma amiga - Luiza Rêdes, não me desminta - pra fazer isso pra mim. Era a Luiza quem comprava meu pão de batata com requeijão e meu mate.

Graças ao teatro sem patrocínio não me resta mais um pingo de vergonha nessa cara.
Dioniso abençoe meus porteiros e vizinhos (e tb outros passantes bem aventurados que atravessaram meu caminho com generosidade - ou pena).

É de extrema importância ter atenção às morais de toda essa história que, por mais que pareçam, não são tão balela assim:
Moral da história 1: É pedindo que se aprende.
Moral da história 2: É pedindo que se perde a vergonha na cara (mas a dignidade jamais, a não ser, seu imbecil, que depois de tanto pedir você não entre em cartaz)
Moral da história 3: Teatro se faz pedindo. 
Moral da história 4: Se nada der certo, teremos diploma pós doc pra arrumar um trocado no sinal.

Deu pra sacar? O lance é o seguinte: como um bom operário de arte, você está fadado a ser um pedinte. Mesmo fazendo teatro classe média. É raro teatro rico, ou você atende pelos sobrenomes Müller, Botelho ou Falabella?

Resigne-se. Ajoelharás eternamente aos pés de apoiadores, patrocinadores, aprovadores de icms e rouanets. E entre alegrias e dores, a única esperança para nós gozadores sofredores, é que partindo de café três corações, donnana, paitrocinios e playgrounds, um dia chegamos a Era dos Brás. Mas não se anime: com verbas  Petro ou Eletro, nossa luta nunca jaz.
E preste atenção: se você não chegar lá tão cedo, não desista. Continue pedindo. Lembre dos seus amigos de infância. Algum deve ter virado diretor de marketing de uma empresa fodona (no seu caso, qualquer empresa mequetrefe também serve, só pra começar, vai). Ah...  A empresa não tem o perfil do projeto? Hummm Imaginei. Sa-bi-a. Experiência. Mas é uma empresazinha mequetrefe mesmo, hein! Mas a culpa é sua. Você devia ter feito melhores amizades na infância.
Faça o seguinte: planeje-se. Matricule seu filho num colégio de milionário. Peça bolsa. Peça integral. Você sabe como fazer isso. E peça mesmo. Você precisa ter alguém pra quem pedir dinheiro quando ficar velho.
Ah... Não tem filho? Nem quer ter?
Continue. Ore. Peça pra Apollo, pra Dionioso,  Stanislavski, pra Paulo Autran, pra Sergio Brito, pra Cacilda Becker, pra Nietzsche, pra Jah,!!!!! Peça até pra Deus!!!
Jesus!!!! Alguém há de lhe escutar! Agora, se ninguém de atender...  ou é problema da Tim ou você tá fazendo alguma merda!

Peraí! Pára tudo! Entrou no crowdfunding e conseguiu uns cruzados de réis pra levantar os custos básicos da sua peça? Ih! Descansa não! Tá pensando o quê? É brasileiro? É carioca? Não tem nenhum ator famoso ultra global na sua peça que é uma obra prima? Então não vai precisar pedir mais nada. Agora, meu bem, vai ter que IMPLORAR por público. Merda lá!

Bem... quer um segundo pra respirar? Um só. Estou terminando mas tenho mais a dizer. E por favor, não me deixe falando sozinha.  Por favor, vai? Sei que texto longo dá preguiça, mas... pô, se coloca no meu lugar? Se colocou? Posso prosseguir?

Então... Por tudo isso, seu pedinte, lembre-se sempre dos designios da Bíblia que fazem referência aos seus semelhantes e nunca, veja bem: NUNCA trate mal o menino das bolinhas no sinal. Ele poderá ajudá-lo com perspicazes lições e ainda te ensina uns malabares pra você colocar no prólogo da sua peça contemporãnea. Só, por favor, nunca use "Tia" como vocativo. Nem "Dona", eu lhe rogo. Ah! Também não faça aquela cara de cão abandonado morto de fome e chutado. Não funciona. Dá até raiva.



Agora eu vou partindo porque tenho um edital pra preencher. Pedir por escrito é bem menos constrangedor, bem mais chato e com só 10 anos de teatro e nenhum nome de alto escalão da nata do  do TBC (Teatro Blasé Carioca) ou do TQBC (Teatro Quase Brodway Carioca) na direção - já que a direção sou eu - dificilmente vou ganhar essa budega. Mas há os milagres. E até conheço a amiga de uma amiga de uma abençoada. Serei ungida. De vinho. Por Baco*. Não perco a fé. Continuarei pedindo. Evoé! 

*Baco, por favor, Baco. Tenha misericórdia de minha alma. Prefere que eu te chame de Dioniso? Eu chamo. 

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

A BRECHA



Desses rabiscos... os meus... seus... idos.
Dos sentidos dos sentimos das idéias fingimos?
Desse ar que se inspira, do que se aspira, o que nasce em mim e se
expõe
essa impressão expressa, se apressa!
 Me dá um lápis!
zzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
Já foi.
 
A sensação de ser que se transforma e es(vai).
O tempo é.
Do que estou eu - você
do que
está em mim do que se faz em nós do que se torna palavra do que se faz
verso,
do que se exprime, doqueseexpreme,
dessa dor que 



SORRI




e te convida:







Pode entrar, a porta está aberta.


elA
Algumas pessoas não querem ouvir nem serem ouvidas. Elas querem apenas e apenas falar.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Tudo que bate dói.

Uma dose de lembrança bate
Liquidi(fica)dor
Um litro infinito de saudade
Eu entorno, eu bebo e torno a...
mais uma dose
Eu retorno 
Mais uma dose
De você... liquidada
Liquida 
fica 
dor
Bate

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Portando um diploma pós doc na área, sinto-me capacitada para abrir uma Centro de Reabilitação Pós Relacionamento.


CARTILHA DO 22 (PACIENTE)

Li
ção número 1 - Assista filmes debilóides ou suspenses. Uns de terror (bons) tb funcionam.
Lição número 2 - Joguinhos são excelentes. Qualquer joguinho bosta serve. Até tetrix.
Lição número 3 - Evite falar com gente chata, vc só vai lembrar do(a) Falecido(a) e ainda vai ficar com a FALSA impressão de que o(a) Falecido(a) era o melhor ser vivo que surgiu em todo o Universo desde o Big Bang
Lição número 4 - Convença-se de que essa impressão É FALSA! Repita 147 vezes É FALSA!
Lição número 5 - Protele um pouco ir pra cama com qualquer outro sujeito(a) ou você vai ficar com a FALSA (você já se convenceu q é falsa, se não, repita mais 43) impressão de que o(a) Falecido(a) é/tem a pica/xana das galáxias.
Lição número 6 -Se estiver precisando trocar o óleo, procure um(a) verdadeiro(a) pica/xana das galáxias.
Lição número 7 - Você já devia ter feito isso antes, mas troque no seu celular o nome do(a) Falecido(a) por VOCÊ MERECE COISA MELHOR.
Lição número 8 - Dependendo do seu nível de desequilibrio, obsessividade ou compulsão afetiva, espatife seu telefone. Ligar para o individuo não colabora com o tratamento.
Lição número 9 - Se você for desequilibrado tipo Atração Fatal ou Anticristo, limpe a sua conta bancária, vc não pode ter dinheiro para pegar um taxi, surgir na casa do(a) Falecido(a) e pegá-lo(a) com outro(a).
Lição número 10 - Se você, seu idiota, for até lá e pegá-lo(a) com outro(a), convença-se de que você não é um idiota (a não ser por estar fazendo esse papelão). E aliás, você é muito, enormemente, infinitamente melhor do que esse(a) periguete/bosta que seu/sua ex tá pegando só pra matar aquela carência ridícula dele(a). Convença-se disso. Se você for realmente muito melhor do que esse lixo que tá na sua ex cama, nem será necessário muito esforço.Você não precisará convencer nem a você e nem a ninguém. disso. Todos os seus amigos, amigos dele, amigos dela, o mundo todo saberá disso: você é infinitamente melhor. Você é incrível.Você é fodarástico(a)..
Lição número 11 - Antes de ir embora da casa do(a) Canalha, aproveite que você é desequilibrado(a) tipo grave e quebre todos os copos e pratos da casa (que afinal, são seus e você tem todo o direito de fazer isso). Assim, você vai gastar sua raiva, vai se sentir vingada e não vai precisar machucar ninguém.
Lição número 12 - Se você for homem, não faça isso. A não ser que você queira dar um ataque de bichisse. E nem os gays ficam interessantes tendo ataque de bichisse.Você não tem útero, você não sangra todo mês, vocÊ não é o Anticristo. Você não tem direito a ter um ataque desses. Não tem, não tem, não tem, não tem. E nem discute porque eu tô de TPM.
Lição número 13 - Toda vez que sair de casa, vista-se primorosamente. Mulheres, maquiem-se. Não esqueça do perfume. Você vai precisar de elogios pra levantar essa porra dessa auto-estima que tá na merda.
Lição número 14 - Beba, mas não muito, ou você vai contar pro bar inteiro que você é corno.Se vc for alcóolatra, não beba, né, imbecil!
Lição número 15 - Se você não é corno, continue assim, mentir pra si mesmo é sempre a melhor mentira. Renato Russo estava mentindo quando disse o contrário. Aliás, é regra básica. Não coloquei como uma lição na lista porque é tão básica que vem antes do 1.
Lição número 16 - Ah, você não é corno mesmo, com toda a certeza do universo? Foda-se. Mentira. Peça desculpas 
ao Falecido(a) corno(a). Mas  peça por escrito,ou telefone, você tá correndo o risco de ser agredido. E tomar porrada não colabora com o tratamento. 
Lição número 17 - Quando encontrar um amigo em comum, coloque um tampão no ouvido. Mais cedo ou mais tarde ele vai cometer a infâmia de pronunciar o nome do(a) Falecido(a). E isso definitivamente não colabora com o tratamento.
Lição número 18 - Esse mesmo amigo não vai aguentar e quando você menos esperar, vai enumerar pessoa por pessoa que o(a) Falecido(a) está pegando. Dê apelidinhos infames para essas xumbreguetes e furingos pegadores de ex. Eles são de quinta e não merecem que você pronuncie seus nomes. Aliás, que nomezinho nada a ver aquele, né? O apelidinho que você inventou é até bem mais interessante.
Lição número 19 - Vá toda semana a um tarólogo pra que ele te diga que o verdadeiro amor vai surgr em sua vida na semana que vem.
Lição número 20 - Espalhe fotos tamanho 40X60 do seu mais novo amor por toda a casa: você mesmo.Faça elogios.
Lição número 21 - Prove seu amor ao seu amado. Escreva uma carta de amor para você mesmo. O nome disso é amor próprio,
Lição número 22 - Esqueça tudo isso. Faça as malas e vá pro Japão. Eu ia sugerir China, mas achei que seria irresponsabilidade social enfiar mais um desgraçado lá dentro. Se você é aquele desequilibrado grave tipo Atração Fatal, vá para a Índia. A obsessão pelo budismo vai te fazer bem. E agora você protagonizará O Iluminado. mó promoção irada.


 PS: Tenha o mínimo de bom senso ao escolher o filme debilóide. American Pie e suas variações não estão incluídas no pacote. A não ser que você seja homem ou debilóide. Ou as duas coisas.
Ah! Bloquear o(a) Falecido(a) no facebook tb é regra básica.

domingo, 15 de julho de 2012

DOMINGO






















E eu sinto falta de alguma coisa que eu nem sei
Eu nem sei se é falta
Uma harpa,uma bota no chão, umas cervejas e eu nem sei
Quando vou dizer some
Me consome
Sinto sinto sinto sinto
Sinto tanto
Sinto muito
Eu sinto sim
Sinto falta de mim
E ninguém mais pode dizer

Você pode dizer:
- É claro que não!

Se disser que sim eu rio
Eu rio de você sim
Rio sim.
Você não pode dizer
É claro que não.
E a cinza está para cair
Eu... eu... eu...
Eu estou cansada de tanto eu
Desse eu no meu eu
Sinto falta, sinto sim.

domingo, 1 de julho de 2012

A Deriva

Eu tô com medo de ficar 
                                      aqui 








                                PARADA


                                                                        
                                                                        meu sonho             
  bem no meio dessa estrada bifurcada entre         e                                                                                                                                                             
                                                                        meu fracasso  


E se de repente tudo aquilo for...

nada


do que eu pensei?




Se eu der com os burros nágua?


nado?


Afunda...


maré braba.

sábado, 16 de junho de 2012

No sótão


Alguns brinquedos são inesquecíveis. E alguns momentos são como brinquedos. É que existem pessoas que gostam de brincar com as circunstâncias tornando a vida mágica. E    aquilo fica ali, num campo especial da memória, registrado. E é esse o caso.

O mundo do faz de conta é mesmo sedutor e eu devia ter uns seis anos mais ou menos quando essa máquina registradora da Glasslite entrou pra vida da criançada de 80/90. Mais ou menos na mesma época do pogobol, do castelo da She-ra, do estojo automático e do aquaplay. Ai, que saudades da aurora da minha vida, do meu Fofão querido que os anos não trazem mais...
Eu, como todas as meninas da minha idade, adorava aquele lance de ser a professora, a vendedora da loja e, como já seria de se esperar pela Glasslite, a caixa do supermercado. Me apaixonei pela caixa registradora e a quis como se fosse o último desejo da minha vida. Pedi de aniversário aos meus pais, que provavelmente iriam comprá-la no nosso fusca verde. Esperei por esse dia ansiosa. Ser caixa de supermercado naquele momento era o meu maior sonho.
Dia 29 de outubro chegou e eu acordei com aquela sensação de ser especial. Aquele era o meu dia. Fui ao quarto de minha mãe e sentei na cama forrada por um lençol bege claro estampado com uma espécie de trevos bege escuro quase verde musgo. Quase. Já naquela época o lençol tinha um tom sépia. Mas ele ainda não era antigo. Minha mãe me deu um "bom dia", um abraço, os parabéns e logo meu pai chegou por trás no corredor com um ritual parecido, eu acho. Não me lembro muito bem. Corta para a minha mãe me explicando com toda delicadeza: "Minha filha, você sabe... Papai e mamãe estão muito duros. A nossa situação está complicada. Você sabe..." - Nesse momento eu já comecei a murchar e na minha cabeça a imagem da minha máquina registradora ia sumindo e ficando pequenina, cada vez mais ao longe sumindo numa branquidão, mas ela ainda estava ali quando - "...e como a grana tava curta, só deu pra gente comprar mesmo isso aqui" - E eis que surge nas mãos da minha mãe o isso aqui - uma cestinha de supermercado com mini frutas de plastico. O isso aqui deveria vir acompanhando a máquina. Deveria...
Não. Não vou descrever a minha reação, vou deixar vocês imaginarem. Mentira. Não, não é mentira. Eu ia deixar vocês imaginarem. Mas eu tenho facilidade para mudar de idéia. Vou contar. Olhei pra cestinha com frutas de plástico, olhei pra minha mãe, depois pro meu pai. Peguei a cestinha. Não falei nada além de um sincero "obrigada". Era sincero, mas carregado de pena de mim e dos meus pais. Eles eram mesmo muito duros, minha mãe era muito nova e o dia-a-dia ali era sim bastante suado. E eu merecia MUITO uma caixa registradora da Glasslite. E o choro estava ali... entalado na minha garganta. Não como uma bala soft. Aquelas balas eram meio trágicas, eu lembro disso... E a situação não era trágica. Era só dramática. Eu fiquei bem arrasada, mas tentei disfarçar. Duvido que eu tenha conseguido. Até hoje não consigo muito dissimular minhas emoções. Elas brotam a flor da pele e o máximo que eu posso fazer pra diluí-las é postá-las num blog. 
Pois bem, passado esse instante, fui pra casa da minha avó. A minha avó é como uma segunda mãe. Nem sei se segunda. Uma co-mãe. E hoje, é também uma grande amiga. Domingo era dia de vó e aniversário também. Lá fomos nós. Entramos pela porta da cozinha, como de costume e fomos pra antiga salinha de televisão onde assisti VAMP muitas vezes. Minha avó me deu um beijo, os parabéns e imagine só o que mais ela me apresenta com risadas do meu pai e da minha mãe ao fundo: a minha caixa registradora! Primeiro eu entrei em estado de choque. Depois eu sorri, gargalhei, comemorei e registrei algumas compras.
Enquanto eu brincava de ser adulta, meus pais estavam ali, curtindo a brincadeira de pregar aquela peça e fabular uma história pra mim. Acho que eles nem calculavam o quanto essa caixa se tornaria tão registrada nas singulares lembranças que moram no sótão da minha nostalgia.
E hoje, pouco mais de vinte anos depois (naquela época eu jamais me imaginaria falando "mais de vinte anos depois"), uma constatação: de fato, a melhor parte  tá sempre na casa da avó, mas é tudo planejado.



PS: AOS NOSTÁLGICOS DE PLANTÃO
Fiquei sabendo ontem que estreou recentemente um novo canal Globo com desenhos antigos. E na sessão nostalgia tem Os smurfs, Popeye, He-man, She-ra etc.
NET - canal 30 (SD) e canal 557 (HD)
SKY - canal 287 (HD)
TV - canal 94 (SD) e canal 594 (HD)
TV (cabo) - canal 22 (SD) e canal 322 (HD)
Vivo TV (DTH) - canal 325 (SD) e canal 873 (HD)
GVT - canal 32 (HD)
OI TV - canal 87 (SD)
CTBC TV (cabo) - canal 35 (SD) e canal 235 (HD).
CTBC TV (DTH) - canal 335 (SD) e canal 935 (HD).
Via Cabo - canal 56 (SD) canal 456 (HD).

Segundo o diretor do canal, Paulo Marinho, o Gloob surgiu através de uma pesquisa feita pela Globosat que identificou uma “lacuna” entre os canais infantis. ”O público-alvo, na faixa de 5 a 8 anos, sai da primeira infância e abandona o canal Discovery Kids, mal encontra sua turma no Network ou na Nickelodeon, ambos feitos, em sua maioria, para crianças maiores. E é para preencher este nicho que surge o Gloob”.
Confira os horários dos clássicos no Gloob:
Os Smurfs: diariamente, 9h. Seg à sex, 15h30. Sáb, 21h30.
Popeye: diariamente, 22h. Seg à sex, 2h30. Sáb, 22h. Dom, 14h30.
He-Man: diariamente, 22h30. Seg à sex, 2h. Sáb, 22h30 e 2h. Dom, 15h e 2h.
She-Ra: diariamente, 23h. Seg à sex, 1h30. Sáb, 23h e 2h30. Dom, 15h30 e 2h30.
FICA A DICA!!!!!!

Fonte: http://retrotv.uol.com.br/

quarta-feira, 13 de junho de 2012

CONVERSA ENTRE SOLTEIRAS NO DIA DOS NAMORADOS


- Quem é esse gato da foto?
- Ah! Ele é cantor e ator, uma delícia de pessoa!
- Delícia é?
- De pessoa.
- Solteiro?
- É. Na verdade, nunca o vi com ninguém.
- Viado.
- Nem um pouco.
- Já pegou?
- Já quis, mas não rolou, ficamos amigos. Rolaram até uns flertes, mas não ficamos.
- Po, peraí, nessa outra foto ele tah com casaco de onça vermelho e tá com uma cara muito gay! Cara, ele não te pegou porque é gay!
- Ah, ele tá com uma cara de sedutor, charmoso, sexy, ardente... Ele artista, não é gay!
- Ah! Não é gay?
- Não!
- Não é mas queria muito ser! 
- Será?
- Não sei. Será?
- Não sei, foi você que falou!
- É eu falei... Mas se for, não tem problema, eu pego mesmo assim. 

- Pega?
- Pego. Por que? Tem preconceito?
- Não.
- Então, eu também não. Adoro gay. Gay é animado. Tô precisando de alegria na minha vida. Me apresenta?
- Te apresento.
- Então... Contrata ele pra cantar na sua festa e me oferece como cachê!
- Acho bom, mas meio esquemático. Melhor se for espontâneo.
- A gente pode forjar uma situação espontânea!
- ENtão você pega mesmo se for gay?
- Mesmo se for gay. To desesperada.


Silencio


- Mentira. Não pego, não.
- Ufa, ahn bem!
- Mas eu to mesmo desesperada

.- Então pensa bem.
- Pego não.
- Nao mesmo?
- Mesmo.
- Certeza?
- Quase.
- O cara é gay!!!

- Gay é demais, né?  Pego não.
- Com certeza?
- Com certeza.
- Absoluta?
- Absoluta.
- Entao eu pego.
- Você? (gargalha sem medo de ser feliz)
 Duvido.
- Como duvida?
- Duvido, ué? Posso duvidar?
- Duvida porque?!!
- Querida, acorda! Primeiro que ele gay, Segundo que se ele já não te pegou antes, minha filha, não vai ser agora que ele vai querer te pegar!
- Teceiro?
- Precisa? Pega o leite condensado ali e vamo fazer um brigadeiro! Mas você não vai comer não!
- Ah, não? Posso saber porque?
- Eu preciso falar o obvio? Olha pro espelho, amiga! Você engordou bem mais do que podia! Se eu fosse você começava uma dieta ontem.Tô te falando porque eu sou sua amiga!

terça-feira, 12 de junho de 2012

Sem



Silencio é bom quando é pausa, quando é

 meio, quando é. Se não é só vazio sem cor.

 Sem dúvida, sem penumbra, nem sombra de

 luz,

domingo, 10 de junho de 2012

gera in ventre e se vá

passa um in(vento) na mente fica um in(tento) na gente.
gera in ventre se faça não sente e se vá
mão na massa maçada de toda nossa consciente(mente).

sábado, 9 de junho de 2012

O menino que vendia livros e via entre prateleiras

Saudade daquela menina da livraria...
Menina que eu vejo, desejo me espia
Espira o tempo travesso que passa com pressa e leva no vento
Menina que invento que amo que passa no cio
Eu mio, ela olha ela vem ela deixa cair no meio do seio um cílio
ela toca ela pega ela peca oferece uma prece anuncia:
"Segura. Sente. Aperta... faz um desejo e pensa numa dor"
Ela fala macio ela morde o lábio é lascivia (em flor)
"quero uma dor azul" - e se vai.
Saudade da menina da livraria...



Sem lenço sem olhar pra trás

Substância afetiva
O resto sao dejetos
de mim ninguém leva nada
Mudei tudo
Página virada
Maçada é mala com quinquilharia
academia, amor velho, gente vazia
Qualquer caminho outro é bom
prumo novo rumo
pruma velha andarilha.

Alessandra Gelio e Flavia Selbovitz

quinta-feira, 7 de junho de 2012

valsa


volver vento veloz vinil voil voyer volta vulva viúva vírus 

visão vazão vaso vasto vapor valor vário vazio vácuo vaca

 
varal viril viral vira viola vidro vida verve voraz você volver

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Ai.

sometimes
some
so me



me


so me sometimes

SomeTimesSome

as vezes lhe dão um beijo
as vezes lhe dão de amar
as vezes lhe dão ensejo de bossa e mar
as vezes lhe dão impar
as vezes lhe dão lampejo de um par
as vezes lhe dão um ermo olhar
as vezes lhe dão só ar
as vezes

as vezes
So li dão

Hein?

Em que esterco pisa sua carruagem?
Você vem de amor ou sacanagem?
Vende quê?

Apaga.

eu não desejaria apagar minhas lembranças se pudesse apenas esfumaçar as braseiras sensações que elas me trazem me tragam me cinzam.

Deleito

Hoje eu preciso de um trago de morte e um leito de cachaça.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Andarela Paisageando

Eu já te disse que sou ela?
Meu nome é Andarilha.
Eu vim de Barros
Lá das bandas do seu Manoel
Lá a gente transvê que todas as coisas
podem ter qualidades humanas de pássaros
Lá a gente alma que poetas
podem ter qualidade de árvore
Lá, a gente aprende quem sou gente
Aqui  (dentro) é um rio que transcorre
E vai passando caminho
e vai colhendo paisagem.
e vai paisageando de inventar  de sendo também.
e uma paisagem nunca acaba nunca
e uma paisagem nunca se desmancha nunca
paisagem vive de sempre
é como se fosse um monte de desenho
um desenho nunca se apaga nunca
eu desenho um em cima do outro
e outro em cima do mesmo
e vou colhendo e vou inventando
paisageando
e de quando em quando eu
salto da palma do brincante
alço vôo e vou
ouvendo o universo falar comigo:
Eu já te disse quem sou pedra?
Eu já te disse quem sou rio?
Eu já te disse quem sou gente?

sábado, 12 de maio de 2012

Rosa Rapina

elA é a pele da flor
despetalada
nua e levada
de samba rosa negra
mal fadada temida malvada

estúpida a perna bamba
ah, esse pavão...
quando ele vem de exibição
ela logo dá largada
desabrocha toda se abre
até que ele vá e tudo desabe
elA é a pele da flor
travessa fingida enganada
bamba e boba
dá logo a largada
toda errada essa flor...
broto que pensa que é cobra criada
ah, esse gavião...
passou de raspão e de supetão roubou
um ar de ardor de inspiração e levou
num só vôo
pra onde quer que for
Só assim cruzarão o oceano
Gavião e Rosa Negra
amor raso e rasante só pra lembrar
que uma Flor de Rapina
há de se fazer e depois esquecer
aqui em algum lugar
elA é a pele da flor
de espinhos e abusada
rosa negra
rosa rapina
num jardim sem cor
cheia de dor pra si plantar
ah, esse faisão...
quando ele passa,
dou logo a largada....





.elA