Arte, porque a vida por si só não deu conta dela mesma





sexta-feira, 27 de abril de 2012

OTÁRIO! - Recado da chapeuzinho macabra

O cúmulo da procrastinação é isso: o sujeito enrola a semana inteira, depois a sexta inteira, pra decidir o que vai fazer na sexta mesmo a noite. Enrola tanto q qdo ve jah sao 2h30 da manha, e ele eh um otario sentado no sofá vendo altas horas - vida inteligente na madrugada
integentaaaaaaassa Otário!

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Construindo nossa Paisagem Invisível

“Todos os dias eu sonho com uma mulher...
Ela tem um... Eu não sei definir muito bem... é engraçado... Sabe aquela coisa de sonho?
Que a gente não vê mas a gente sabe?
Ela sempre aparece pra mim vestindo um vestido florido. É como se fosse uma paisagem e ela
canta pra mim.
Eu não sei direito quem é essa mulher.
Às vezes eu tenho certeza que eu sei exatamente quem ela é, às vezes ela some de mim.
E tudo que eu tenho é...
Eu to atrás dela. Eu nem sei se um dia eu vou encontrar, mas eu to atrás dela. ”

(texto desenvolvido para o show Paisagem Invisível da cantora Andreia Mota)





terça-feira, 24 de abril de 2012

Cala a boca, Alessandra!

Nem tudo o que eu digo é verdade.
Nem tudo o que eu digo é inventado.
Nem tudo o que eu digo é nada.
Nada do que eu digo é tudo.
Tudo o que eu digo é nada.
De nada tudo tem um pouco.
Tudo nada.

Recado da chapeuzinho macabra!

Sim, eu sentiria um prazerzinho satânico se descobrisse que esse cheiro insuportável de queimado em São Conrado fosse na verdade churrasquinho do imbecil que agrediu  meu lobinho de estimação ontem a noite.




lá lá lá lá lá lá lá lá lá lá lá lá lá 



Olhe dentro do fora

Olhar pro outro e tentar enxergá-lo realmente, e mais, tentar sentí-lo de fato, fica cada vez mais escasso: estamos viciados em nós mesmos.

Arrotamos conceitos e palavras feitas, falamos daquilo que achamos que sabemos, elocubramos como nos convém e discorremos somente e sabiamente sobre nós mesmos quando, dissimulados, estamos falando de qualquer vida, de qualquer outro, de qualquer planta. Só assim nos protegemos do cerne dos instantes, só assim nos mantemos ilesos na superfície, só assim podemos ficar sob a ótica topográfica e soberana da cena.

Vendo tudo sempre a partir das mesmas perspectivas, usando sempre as mesmas respostas. Inclusive quando o que se necessita é só silêncio.
É tentador se impor aos instantes.
Recebê-los é uma arte pra poucos.











domingo, 22 de abril de 2012

Te Juro!



EU TE DAREI O CÉU!
|
|
|
|
|
|
|
|
|
|
|
|
|
|
|
|
|
|
|
\/ 


MAS SÓ NA SEMANA QUE VEM

NESSA EU JÁ TENHO MUITA ENTREGA AGENDADA!

sexta-feira, 20 de abril de 2012

MINISTÉRIO DA LOUCURA

 INT - BANCO - BALCÃO

Então a sorridente senhora balconista pergunta ao homem:

- Deseja efetuar um novo pagamento?

- NÃO, MINHA SENHORA! NÃO! QUEM EM SÃ CONSCIÊNCIA QUER EFETUAR UM NOVO PAGAMENTO? QUEM???????

Como o cliente tem sempre razão, ela responde:

- É verdade, senhor, é verdade. É verdade senhor, é verdade. É verdade, senhor, é verdade.

- MINHA FILHA, VOCÊ PRETENDE FALAR ALGUMA COISA OU ENGOLIU O CD DE FUNK DAS MINA DO INRI CRISTO????

- É verdade, senhor, é verdade. Não! Sim!  Não!QUer, dizer, sim, eu quero dizer que não é... depende do pagamento...

- QUERIDA, QUE PAGAMENTO A SENHORA TEM EM MENTE?

- é nehuma pessoa em sã consciência quer pagar um...(ela faz um biquinho para falar um)  uma.. pagar.. ai... hum...(ela fala com um certo delei, quase gemendo) ai, senhor, pagar as vezes... (ela arregala os olhos) isso (ela sorri desmanchada), paga vai, paga isso, paga mesmo (ela está cheia de tesão), seu pagador hein (cara de safada), quem diria, paga mais, paga, paga aqui oh (provocativa)... Oh senhor, senhoooor (gritando)

 (abre-se um clarão, o homem está estatelado no chão e o que vemos é o rosto do sujeiro tomando tapinhas na cara) 
- Senhor? Senhor? Senhor!!!!!


Abre o quadro e ela está sentada por cima dele dando tapas na cara dele


Senhor, por favor, senhor!!!!  (ela rasga a sua camisa)  Não faça isso comigo, senhor!!!!

(elasegura pela camisasocial aberta, ela começa a sacudí-lo desesperadamente)

Será que alguém pode me ajuda??????? Socorro, senhor, socorro!!!!! Ninguém vê que esse senhor não está em sã consciência?

CORTA PARA A FACHADA DO BANCO ONDE UMA REPÓRTER ENTREVISTA O MINISTRO MAROLINHAS SÓNASBERIAS

Repórter - Ministro, o que o senhor tem a dizer sobre o ocorrido?

O MINISTRO PUXA O MICROFONE DA REPÓRTER 


ATENÇÃO, SENHORES, O MINISTÉRIO DA LOUCURA ADVERTE:

QUEM EFETUA PAGAMENTOS ESTÁ SUJEITO A TRAUMAS GRAVES.

É SÓ POR ESSA CAUSA QUE TODO O RESTO DO MINISTÉRIO APOIA,

ASSIM COMO OS NOSSOS DEPUTADOS E SENADORES E DEMAIS EXTIRPADORES

QUE MANTÉM ÍNTEGRA A SUA POSTURA POLÍTICA BRASILEIRA

PERMANECE CEDENDO GENEROSAMENTE SEUS BOLSOS PARA GUARDAR, RESGUARDAR, TRANSGUARDAR
TODO O SEU DINHEIRO.

CUIDAMOS DO QUE É SEU COMO SE FOSSE NOSSO.


O ministro coloca o microfone no bolso e sai.

REPORTER - Ministro, o senhor não quer levar também a nossa câmera?



SESSÃO CONGELADOS (para mulheres)


"ATENÇÃO ATENÇÃO, ATENÇÃO

MENINAS , atençao, por favor!!!

Aprendam de uma vez por todas!

Se você já deu ao individuo a única coisa preciosa q vc tem certeza de que terá pro resto da vida... se vc o chama pra um chopp... Se ele diz que não pode porque vai trabalhar hoje, amanhã, viaja ainda e também a trabalho nos próximos dias... Se ele diz que depois desse período tão atribulado tudo será de vcs (...):


a) ele está te transformando num congelado pra comer na hora da larica;

b) ele está te tranformando num congelado que vai ficar os proximos 10 anos no fundo do freezer e só vai sair dali direto pro lixo;

c) ele é um adolescente, tem entre 12 e 16 anos e está explorando a sua* sexualidade;

d) ele está treinando pra ser roteirista mas, imaturo, ainda usa artificios ingenuamente clichês;


e) você vai tomar vergonha nessa sua cara AGORA e vai enviá-lo imediatamente pra
fogueira dos infernos;

f)todas as alternativas acima estão fatalmente corretas."

segunda-feira, 16 de abril de 2012

A(mar) de Rosas

Nos meus sonhos eu ia a beira do rio
Agora, só a mar
Ao fundo
Nao sei porque...nao tenho medo
Agora, me confundo
Nunca gostei de superficie, de fazer planos nem planicies. Morro um pouco a cada dia. Desço, subo e salto!
O mundo profundo me bebe me engole
Eu sou um submundo imundo de restos de rosas.
Entrega e mergulho em verso em prosa.
Eu so deep assim.
O vermelho e os espinhos ja se tornaram
                                                               parte de mim



Principio

Entrelacamos as maos.
Eu e ele.
Precipito-me
E num salto.
Precipicio-me.
E no primeiro ato eu mato todo o fato.
Era so o principio
E eu.
Sempre gostei de historias de morte por amor.
Gosto do gosto de morango alado que tem nosso beijo nao dado.

domingo, 15 de abril de 2012

Hospedagem

Vem?
Vem mais?
Entra.
Vai fundo.
Pode vir.
Vem de novo, vai.
Volta.
Vai e volta.
Vai e volta.
Vai e volta.
Volta.
Volta.
Volta.
Volta, vai.
Dá uma volta e vai.
Vai vem vai.
Vai. vai vai.
Volta mais.
Fica?
Eu deixo você se hospedar em mim.

Penetracao

Me jogou num canto, entrou tanto que me abismou.

Usadia

Como ousa me
entrar
entrecortar
intracortar
e ir embora assim tao cedo
sem nem provar meu sangue doce amargo azedo?

sábado, 14 de abril de 2012

Olhos vagos, abre a porta?

Enquanto isso seus olhos vagueiam perdidos por aí
Por todo e qualquer lugar.
Puro medo de amar de novo.
Enquanto isso seu coração oco vagueia perdido por aí
Por todo e qualquer lugar
Puro medo de amar o novo
Enquanto isso suas palavras vagueiam lancinantes e desabrigadas por aqui
Por esse insípido inóspito insólito lugar
Puro amor ao medo tolo de deixar o moço entrar.
Asshole!

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Tão Sylvia.

90 minutos e...

 estou não um pouco mas tão muito ela.

Tão escorpionina...
tão desfeita, tão refeita, rarefeita, tão suspeita
de uma vida breve.

Não tão leve, não tão viva, não tão mesma,
não tão só não tão sã tão não então.

Tão lua, tão orfã, tão cálida,
tão eterna, tão aversa, tão amarga,
tão outono tão oca tão nada.

Estou Sylvia Plath.


elA


Efeito Sylvia Plath
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Efeito Sylvia Plath é um termo cunhado pelo psicólogo James C. Kaufman, em 2001
para se referir ao fenômeno de que escritores criativos são mais suscetíveis a doença mental
O trabalho de Kaufman demonstra que poetas mulheres tendem a sofrer alguma doença mental
 mais do que qualquer outra classe de escritores.[1] 
Este estudo tem sido discutido em muitas publicações internacionais, inclusive o New York Times[2]
sendo consistente com outras pesquisas psicológicas.[3]
O efeito foi nomeada a partir da poetisa americana Sylvia Plath, que cometeu suicídio aos trinta anos de idade.

segunda-feira, 2 de abril de 2012



Metade dela é saudade.


Afago


e só o que eu queria agora era 

um daqueles instantes imóveis
em que eu  deixava repousar minha lágrima cansada

no silêncio do seu peito.


que no meu 
trago no tempo
só fumaça

descanço a cinza no cinzeiro


 trago no tempo
a pele escassa.


sopro
desta graça desfeita
só fumaça


só fumo 
só sumo
fumaça


só faça
 sofá
só peito
qualquer leito
 me escapa


me deito
me trago
me fumo 
me sumo
fumaça 


a graça é que depois tudo passa.


afago no tempo
só mais um trago
e eu apago.





Abstrato-me em você.

Despida

estou atravessada por uma coisa que não tem nome
vestida de você por dentro 
das suas palavras
dos seus ecos
não preciso de acessórios então














*Poema escrito num agora que passou faz j'já um tempo. 
Ness futuro daquele agora, eu digo:
Valeu a pena. Muito.